sábado, 10 de dezembro de 2016

4 da manhã e eu aqui pensando sobre a vida


Parei para analisar um pouquinho esses dias sobre o tanto de coisa que deixamos de fazer por conta de medo e que depois nos arrependemos de não ter feito. Fato é que se arrepender do que fizemos jamais mudará algo, já foi, já fizemos, não podemos voltar atrás, já aconteceu, mas se arrepender de algo que não fizemos é horrível, você sempre irá se questionar "e se?" e nunca saberá o que aconteceria se, talvez naquela hora, o medo não tivesse te impedido de se arriscar e viver um pouquinho.
As pessoas vivem (sobrevivem, na verdade) o tempo todo se importando com o que os outros achariam ou pensariam sobre fazer tal coisa ou agir de tal modo, e assim de pouco em pouco a importância da vida foi perdendo sua verdadeira essência, seu verdadeiro significado, e passamos a viver na base do que seria "legal" ou talvez "bonito" aos olhos do mundo, de outras pessoas, e não aos nossos olhos.
Pensei ainda mais um pouquinho sobre isso e cheguei a conclusão de que já deixei de fazer coisa demais pensando nas outras pessoas, pensando no amanhã, no que falariam, achariam, pensariam, se me odiariam ou se continuariam gostando de mim, e quer saber? Não iria mudar em nada, a única coisa que mudou é que me arrependo de ter deixado de fazer o que queria ter feito, antes de perceber isso, antes de ser tarde.
O que significa viver para você? O que te faz querer viver? Qual a sua necessidade de vida?
Viver já foi muito mais do que se importar tanto com opiniões alheias e querer mostrar tanto para os outros, mas quem tanto mostra, pouco tem tempo para realmente fazer.
Você já parou para pensar sobre o que realmente te faz feliz? Se, por acaso a sua felicidade está nas pequenas coisas, nos pequenos gestos, nas coisas mais bobas, ou, talvez nas suas redes sociais, a cada curtida que você ganha pós postar uma foto que chame a atenção do mundo todo?
Não vou mentir e falar que não fico feliz quando ganho bastante curtida em uma foto que eu realmente estava esperando resultado, mas não podemos viver a base disso, não podemos nos importar tanto com isso. Você faz isso, eu faço isso, mas, e se a gente tentasse mudar só um pouquinho?
A base da vida deveria ser encontrar a nossa felicidade nas coisas do dia a dia, no nosso presente sem se importar tanto com o futuro, encontrar felicidade nas pessoas que convivemos sempre, que conhecemos ontem ou até mesmo hoje, nas pessoas reais, nos momentos reais, e se importar menos com o que inventamos na internet, porque tudo isso não passa de um mundo de invenções e de um mundo de mentira.
Aqui vai um conselho de amiga para vocês: se importe menos e seja mais feliz, grite mais, ame mais, sorria mais, beije mais, dance mais, conheça mais pessoas, abrace mais, cante mais, se jogue mais, saia mais, tenha momentos reais, converse mais, faça mais loucuras, se arrisque mais, chore mais (quando der vontade, não segura o choro não), se emocione mais, viva mais. E sabe o medo? Esqueça ele, e caso der medo, vai com medo mesmo, mas vai!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisa: